Translate, traduzir

Preconceito religioso

Livres dos Fardos Religiosos

 

O preconceito é um dos piores males do mundo. Por incrível que pareça, muitas religiões e igrejas estiveram, e muitas ainda estão, carregadas de preconceitos de vários tipos. Até a Bíblia está recheada de preconceitos.  Essa não é uma afirmação preconceituosa: vamos mostrar isso a partir de agora.

 

 

clip_image002[9]

Descrição: Tomates. Data: 10 de outubro de 2004. Autor: Goldlocki. Fonte. Licença CC BY-SA.

No século XVI, quando Cristóvão Colombo chegou à América, na região dos Andes e na América Central, o tomate era cultivado e consumido como alimento. Essa planta foi levada para a Europa, no mesmo século, onde se tornou planta ornamental, em vez de alimento. Muitos europeus, baseados em boatos, acreditavam que quem comesse essa fruta morreria em menos de um dia. Aquela fruta vermelha era vista como um sinal de perigo. Sem nenhum fundamento sério, muitos viam o tomateiro como uma planta tóxica. Por isso, somente no século XIX, ele se tornou alimento popular daquele continente, após comprovarem que era falsa a idéia de que ele era venenoso. As folhas, os caules e os frutos verdes da planta realmente contêm pequenas quantidades de tomatina, um alcalóide tóxico, mas esse não oferece nenhum perigo. [1], [2], [3] Com muito cuidado, para não escorregar, podemos dizer que a tomatina perigosa é a festa espanhola, onde milhares de pessoas atiram tomates umas nas outras. Além do risco de acidentes e da grande sujeira provocada pela cidade, ainda se vê dezenas de toneladas de tomates desperdiçados. [4] Mas deixando as idéias preconcebidas de lado, estudos mais profundos comprovaram que ele é um alimento importante, onde temos boa fonte de nutrientes e uma boa dose de licopeno, um carotenóide com propriedades antioxidantes. [5], [6]

 

Preconceito é o conceito, idéia ou opinião que as pessoas desenvolvem, precipitadamente, sobre alguma pessoa ou sobre algo, antes de realizarem uma investigação ou um estudo mais profundo. É, portanto, uma idéia preconcebida. É preconceito também qualquer atitude que serve para promover a discriminação ou a rejeição de pessoas, grupos, idéias relacionadas à origem, sexo, aparência física, raça, nação, religião, arte, atitudes, etc. O preconceito religioso é tudo isso envolvendo alguma religião.

 

Há muito preconceito no meio religioso. Muitas coisas são meras suposições, suspeitas, hipóteses, pressentimentos, simples imaginações ou opiniões baseadas apenas nas aparências (presunções). O preconceito religioso geralmente está fundamentado em crendices e superstições. [7] O que aconteceu com o tomate acontece bastante na área religiosa. Se com o tomateiro visível as pessoas cometeram enganos, imagine quantos equívocos sobre coisas espirituais que ninguém vê?

 

Muitos elementos religiosos surgem assim: um dia, uma pessoa cria uma idéia sem nenhuma investigação e sem provas concretas e diz para os outros o que pensa. E a novidade vai de boca em boca. E o que antes era apenas uma idéia vaga, torna-se uma verdade aparente. Com o tempo, ela vai se consagrando e vira tradição, mesmo sem ter fundamento lógico. A maioria das pessoas não investiga tudo. Apenas acredita, e isso ajuda a alimentar as idéias preconceituosas.

 

Vamos ver alguns tipos de preconceitos religiosos.

 

Preconceito religioso sobre o sexo.

 

Há muitas coisas erradas pelo mundo afora, além dos diversos tipos de preconceitos. Todas as coisas erradas são biblicamente conhecidas como pecado. E quem é o culpado de todo esse fardo de atitudes pecaminosas? Segundo o livro do Gênesis e segundo a mitologia grega, a mulher foi a culpada. Na mitologia grega, de acordo com o poeta Hesíodo do século VIII a.C., Pandora teria sido a primeira mulher criada por Zeus, a divindade suprema dos gregos. Ela teria sido responsável pela origem do mal sobre o mundo. Foi uma história bem parecida com o caso de Eva, a primeira mulher bíblica, que, que segundo o Gênesis, desobedeceu a Deus e acabou provocando o mal sobre a terra. (Gênesis 3.) [8], [9]. Por causa dessas idéias preconceituosas, a mulher tem sido tratada com certo desprezo, principalmente pelos povos mais antigos, ficando em segundo plano, ao longo dos séculos.

 

A Bíblia, escrita sob as influências de outras civilizações, apóia o preconceito feminino em muitas passagens, assim como algumas religiões. A lei de Moisés sempre deixa a mulher à margem dos acontecimentos. Quando uma mulher dava à luz a um menino, ela era considerada imunda por sete dias e depois mais trinta e três dias. Mas se fosse menina, então o tempo era dobrado. Quatorze dias mais sessenta e seis. (Levítico 12:2-5.) [10] Ninguém podia ter contato com uma mulher menstruada, nem com a sua cama e nem com os seus assentos. Os lugares onde uma mulher com menstruação se assentava ou se deitava eram considerados impuros. Quem se assentasse ou se deitasse nesses locais  era considerado impuro também. Observe o que Moisés disse em nome de Deus: “A mulher, quando tiver o fluxo de sangue, se este for o fluxo costumado do seu corpo, estará sete dias na sua menstruação, e qualquer que a tocar será imundo até à tarde. Tudo sobre que ela se deitar durante a menstruação será imundo; e tudo sobre que se assentar será imundo. Quem tocar no leito dela lavará as suas vestes, banhar-se-á em água e será imundo até à tarde. Quem tocar alguma coisa sobre que ela se tiver assentado lavará as suas vestes, banhar-se-á em água e será imundo até à tarde. Também quem tocar alguma coisa que estiver sobre a cama ou sobre aquilo em que ela se assentou, esse será imundo até à tarde. Se um homem coabitar com ela, e a sua menstruação estiver sobre ele, será imundo por sete dias; e toda cama sobre que ele se deitar será imunda.” (Levítico 15.19-24, RA.). [11] Aquele corrimento natural das mulheres, como se fosse suco de tomate, para eles era algo extremamente perigoso. Se fôssemos seguir esse mandamentos hoje, estaríamos perdidos, pois como iríamos ter certeza que no metrô, no ônibus, nos bancos públicos e em todos os bancos da vida não tenha se assentado alguma mulher com uma perda fisiológica de sangue?

 

Preconceito religioso físico

 

O hebreus acreditavam que para poderem agradar a Deus, eles tinham que oferecer sacrifícios de animais sem nenhum defeito. (Êxodo 12.5; 29.1; Levítico 1.3; 3.1, etc.) [12] Por isso, o altar, todo lambuzado de sangue de animais “puros”, vermelho como um tomate, era considerado santo demais. E essa idéia acabou atingindo as pessoas também. Por isso, aqueles que tinham certas necessidades especiais e alguns tipos de doenças não podiam realizar certas tarefas no tabernáculo ou no templo. São eles: pessoas cegas, coxas, de nariz chato, de membros demasiadamente compridos, com o pé ou a mão quebrados, corcundas, anões, com belida (mancha esbranquiçada na córnea), com sarna, impigens ou com testículo lesado. (Levítico 21.16-24.) [13] Todos esses, preconceituosamente, foram excluídos de certas tarefas religiosas. Eles acreditavam que Deus não se agrada de pessoas com “defeitos”, realizando certos rituais. Em Deuteronômio 23.1-3  diz: “O quebrado de quebradura ou castrado não entrará na congregação do SENHOR.Nenhum bastardo entrará na congregação do SENHOR; nem ainda a sua décima geração entrará na congregação do SENHOR. Nenhum amonita ou moabita entrará na congregação do SENHOR; nem ainda a sua décima geração entrará na congregação do SENHOR, eternamente.” (RC.) [14] Esse preconceito era tão forte que atingia até a décima geração. Se uma pessoa tivesse um problema desses, seu filho ficaria de fora, seu neto, seu bisneto, seu trineto, e assim por diante, até a décima geração. (Como eles controlavam esse negócio ao longo de tantos anos? Será que cada pessoa tinha um registro fiel, onde podia ser encontrado algum antepassado de sua família que encaixava nessas condições?)

 

Preconceito religioso sobre a origem das pessoas.

 

 

image

Brâmanes

Xátrias

Vaixás

Sudras

Párias

Descrição: Suposta origem das castas indianas. Data: setembro/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

Na índia, segundo crenças religiosas antigas, a sociedade foi dividida em classes. Os brâmanes (sacerdotes e letrados) no topo da sociedade, teriam nascido da cabeça do deus Brahma; os xátrias (guerreiros) mais abaixo, teriam nascido dos braços de Brahma; os vaixás (comerciantes) mais abaixo, teriam vindo das pernas do mesmo deus; os sudras (servos: camponeses, artesãos e operários) por baixo, teriam surgido dos pés de Brahma. Há ainda os que não têm casta, chamados de párias (intocáveis). Esses ficaram com os piores trabalhos, vivendo separados das outras pessoas. Foram tão discriminados que nem ganharam uma posição no sistema de castas. Esses, segunda a crença, teriam vindo da poeira sob os pés de Brahma. [15], [16], [17], [18], [19] Como podemos ver, toda essa sociedade estratificada está baseada em crenças preconceituosas.

 

Diz a Bíblia que um homem chamado Ló tinha duas filhas. Em dia, ele ficou bêbado e manteve relações sexuais com as suas filhas, e elas geram filhos do próprio pai. (Gênesis 19.31-38.) A mais velha teve um filho, que recebeu o nome de Moabe, que foi pai dos moabitas. A mais nova também teve um filho que foi denominado de Ben-Ami, que foi pai dos amonitas. Dessa forma, Ló foi, ao mesmo tempo, pai e avô de Moabe e Bem-Ami. (Gênesis 19.31-38.) [20] Moabitas e amonitas são dois povos bastante citados na Bíblia e foram considerados como povos de origem incestuosa.

 

Preconceito religioso sobre a apresentação.

 

Moisés deixou o seguinte mandamento em nome de Deus: “Não vistam roupas feitas de tipos diferentes de tecidos.” (Levítico 19:19, NTLH.) Isso quer dizer que, se fosse hoje, ninguém podia vestir uma brusa de lã com uma calça jeans e uma camisa de seda . Em algumas igrejas, há preconceito sobre roupas coloridas, corte de cabelos, tatuagens, adereços, bigode, barba, calçado, etc. É verdade que algumas pessoas abusam da sua apresentação, usando coisas aos extremos. Mas isso não quer dizer, como alguns tentam afirmar, que são atitudes demoníacas, desagradáveis a Deus. Tratata-se do gosto de cada um, e gosto não se discute. Posso não achar bonito o estilo adotado por uma pessoa, mas não posso dizer que ela está sob inflências do mal ou coisas parecidas. Doutrinas desse tipo, pregadas em algumas igrejas, claro, não vieram de Jesus, mas de idéias preconceituosas de alguns líderes religiosos.

 

Preconceito religioso sobre outras raças, povos ou nações.

 

Segunda a crença dos hebreus, dada por Moisés, eles se consideravam como um povo escolhido por Deus dentre os demais povos da terra. Disse Moisés, em nome de Deus: “Porque tu és povo santo ao SENHOR, teu Deus; o SENHOR, teu Deus, te escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que há sobre a terra.” (Deuteronômio 7:6, RA. Confira Deuteronômio 14.2.) [21] Por causa disso, eles acreditavam que podiam agir em detrimento dos demais povos. (Deuteronômio 7.1-4; 20.16-17.) [22]

 

Uma teoria nojenta, não sei quem inventou, diz que os africanos são amaldiçoados, porque são descendestes de Cam, filho de Noé. Diz a história, que Noé, após o dilúvio, plantou uma vinha, fabricou vinho, bebeu bastante ou “encheu a cara”, como diz o brasileiro. Bêbado, tirou a roupa, e foi se deitar na sua barraca, “nuzinho da silva”, do jeito que nascera. Ele tinha três filhos: Sem, Cam e Jafé. O infeliz do Cam descobriu que ele estava nu e foi contar os outros dois irmãos. Então Sem e Jafé, pegaram uma capa e, para não verem o papai bêbado, foram de costa até ele e o cobriram. Quando ele acordou da bebedeira e soube que Cam tinha visto ele nu, o amaldiçoou dizendo que ele seria escravo de Sem e Jafé. (Gênesis 9.18-27). [23], Alguns imaginam que Cam teria feito algo mais (isso mesmo que você está imaginando) e que por isso a maldição foi pesada. Então surgiu uma teoria dizendo que os africanos são descendentes de Cam e que por isso seriam amaldiçoados, dizendo ainda que, por esse motivo, eles formaram nações pobres, se tornaram escravos e adquiriram graves doenças. Dizem que essa maluquice surgiu na terra abençoada do tio Sam e veio parar nas terras do pau-brasil, de carona no evangelho americanizado.  [24], [25]. Mas também alguns afirmam que o padre Manoel da Nóbrega, do século XVI, disse o seguinte: “Por serdes descendentes de Cam e terdes descoberto a vergonha de seu pai deverão os negros serem escravos dos brancos por toda a eternidade”. [26]. INDIGNADO com tudo isso, não preciso dizer que não passa de idéias preconceituosas contra os nossos queridos africanos.

 

Preconceito religioso sobre dias, números, cores, animais, etc.

 

Para muitos, aquele gatinho preto é um animal terrível. Existem pessoas que têm pavor da meia-noite, da sexta-feira treze, etc. Os hebreus, segundo determinações de Moisés, acreditavam que as cinzas de uma novilha vermelha serviam para purificar as pessoas. (Números 19.) [27] Isso quer dizer que novilhas dessa cor eram consideradas mais importantes. Tudo isso, claro, são atitudes preconceituosas.

 

Preconceito religioso sobre artes

 

Houve um tempo, quando muitas igrejas ainda estavam carregadas com idéias puritanas, ritmos como rock, punk, samba, rap, tango, bossa nova, fox, entre outros, e instrumentos como guitarra, pandeiro, bateria, etc. não eram aceitos na música cristã, pois eram considerados como mundanos. Alguns eram rejeitados porque lembravam a rebeldia e o protesto. Outros, a lascívia e as religiões africanas. [28] O atabaque, um instrumento musical de percussão, foi trazido para o Brasil por meio dos escravos africanos e tem sido usado em diversos rituais religiosos afro-brasileiros. [29]  Por causa de sua origem e de seu uso nos cultos afros, esse instrumento foi visto com desprezo por muitas igrejas. [30]

 

Preconceito religioso sobre outras religiões ou igrejas.

 

É duro para algumas igrejas, por causa de alguns pequenos pontos doutrinários diferentes da tradição, serem chamadas, pejorativamente e preconceituosamente, de seitas. E as religiões africanas que têm sido consideradas por algumas igrejas neopentecostais como religiões diabólicas ou demoníacas? [31], [32] Por que pensam assim? Por causa de alguns rituais macabros? Mas a Bíblia também não está cheia de rituais macabros? Não encontramos nela sacrifícios sangrentos por todos os lados? “Mas eles invocam espíritos”, alguém deve questionar. Sim, mas Saul também não invocou o espírito do grande profeta Samuel que veio e falou com ele? (1 Samuel 28.) [33] Eu não estou concordando com certos rituais praticados por ai, mas não costumo dizer que certas religiões são do demônio. Esse julgamento eu deixo pra Deus.

 

Preconceito religioso sobre atitudes

 

Quando os hebreus sofriam alguma derrota, quando não obtinham a resposta de Deus através de seus rituais, eles acreditavam que o motivo seria alguém em pecado. Então procuravam um culpado, que geralmente era morto. Por exemplo: um dia, numa campanha militar contra os filisteus, o rei Saul consultou a Deus para saber se eles deviam atacar os filisteus de noite. Como não obteve uma resposta, então imaginou que alguém, entre os soldados, havia pecado. Fizeram um sorteio e descobriram o culpado. Era o seu filho Jônatas, que tinha ingerido um pouco de mel sem saber que o seu pai havia decretado um Jejum. Então o pai ordenou matar o próprio filho, porque ele provara um pouco de mel, quebrando um jejum imposto e que ele desconhecia. (Quebrar um jejum em prol de uma guerra é mais importante do que a vida de um filho?) Felizmente, o povo interferiu salvando a vida do rapaz. (I Samuel 14.24-45.) [34].

 

Se você não gosta de números e da matemática, tome cuidado! Muitas crenças absurdas existem nesse mundo pitagórico. No tempo de Moisés, havia um exército com 603.550 soldados. (Números 2.32.) [35]. E na época do reinado de Davi, o exército era de 1.300.000 homens. (II Samuel 24.9.) [36].

 

Vamos pensar um pouco. O ser humano está constantemente cometendo erros graves. Mas vamos supor que, entre os soldados hebreus, cada um cometesse apenas um único pecado em toda a sua vida. Nesse caso, seriam 603.550 pecados no tempo de Moisés, que tinha um exercito de 603.550 homens, e 1.300.000 pecados no tempo de Davi. Considerando a idade média de 100 anos para cada um, então temos: 603.550 pecados /100 anos / 365 dias do ano = 16 pecados por dia, ou seja, 16 motivos por dia para terem uma derrota ou outro problema no tempo de Moisés.  No tempo de Davi seria: 1.300.000 pecados / 100 anos / 365 dias = 35 pecados por dia. É claro que os cálculos acima apenas estão nos dando uma idéia. Nenhum soldado combateria durante 100 anos diretos. E é claro que ninguém, na face da Terra, conseguiria cometer apenas um único pecado durante cem anos.  Mas não precisamos fazer cálculos minuciosos para provar que todo dia havia vários pecados. É claro que os erros cometidos trazem más consequências. Mas não é como o povo hebreu imaginava. Todavia, diante de uma derrota, preconceituosamente, alguém poderia virar bode expiatório.

 

Observando o evangelho de Jesus, não encontramos mensagens preconceituosas. Mas a Igreja acabou trilhando os caminhos do preconceito. Na Idade Média, muitas mulheres inocentes foram tratadas como bruxas. [37] Cientistas, filósofos e teólogos foram classificados como hereges. [38] Judeus foram considerados os responsáveis pela peste negra, que assolou a Europa na século XIV. [39] Em pleno século XXI, muitos ainda são tratados como falsos cristãos simplesmente por causa de algumas interpretações bíblicas diferentes. Uma pessoa pode ser uma bênção, mas se ela discorda de algum pequeno ponto dogmático, ela acaba sendo taxada de herege. Algumas religiões são acusadas de colocarem demônios na vida das pessoas. Muitas doutrinas diferentes das doutrinas tradicionais são tratadas como doutrinas inspiradas por Satanás.

 

Precisamos examinar todas as coisas com cuidado. Jamais devemos tirar conclusões precipitadas. Muitas coisas são misteriosas e não temos como criar uma doutrina definitiva. Precisamos aprender a divulgar apenas aquilo que está bem claro. Chega de falsidades, hipocrisias, incoerências, ódio e discriminações provocadas pelas idéias presumidas. Busque a verdade. Não aumente e nem invente. Não fique agindo apenas baseado nas tradições, eufórico, se escorregando nesse mal, se sujando, “lançando meros tomates” em pessoas que nem conhece direito, provocando nuns aos outros uma vermelhidão de ódio sem fundamento.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br