Liturgia das Horas (Ofício Divino)

Livres dos Fardos Religiosos

 

Você tem amigos. Como se sentiria se alguma autoridade determinasse as horas do dia em que poderia ter contato com eles e as palavras que deveriam dizer aos mesmos? Seria um desconforto daqueles. Pois foi isso que aconteceu no cristianismo. Deus é visto como um amigo das pessoas, no entanto, autoridades da Igreja impuseram horas e palavras escritas, tentando regulamentar o nosso relacionamento com Ele. Parece que isso foi bom, mas não foi. Infelizmente, foi apenas mais um peso para entediante fardo religioso que muitos têm que carregar.

 

O salmista disse: “De tarde, e de manhã, e ao meio-dia, orarei; e clamarei, e ele ouvirá a minha voz.” (Salmos 55.17, RC. Em algumas versões, é o Salmo 54.18) [1] “Sete vezes no dia te louvo pelos juízos da tua justiça.” (Salmo 119.164, RC ou 118.164 nalgumas versões.) [2] O profeta Daniel orava três vezes ao dia. (Daniel 6.10.) [3]

 

 

image

Descrição: As horas. Data: junho/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

O islã, por ser uma religião oriunda do judaísmo, tem como prática, não três, mas cinco orações diárias.

 

·       Ao alvorecer;

·       Ao meio-dia;

·       Entre o meio-dia e o pôr-do-sol;

·       Após o pôr-do-sol;

·       À noite. [4], [5]

 

Jesus falou sobre a oração, mas não marcou nenhum horário para ela. Ele disse: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca.” (Marcos 14:38, RC.) [6] Estar sempre vigilante é estar sempre sintonizado em Deus. Em qualquer lugar, em qualquer hora, em qualquer circunstância, é importante pedir ajuda e orientações, agradecer a Deus, tudo de forma espontânea, sem nenhum ritual repetitivo, sem nenhuma regra. No entanto, Jesus mostrou que também é importante ter um momento especial, num lugar tranquilo, para podermos falar com Deus: “Mas você, quando orar, vá para o seu quarto, feche a porta e ore ao seu Pai, que não pode ser visto. E o seu Pai, que vê o que você faz em segredo, lhe dará a recompensa. Nas suas orações, não fiquem repetindo o que vocês já disseram, como fazem os pagãos. Eles pensam que Deus os ouvirá porque fazem orações compridas.” (Mateus 6.6-7, NTLH.) [7] Todavia, como podemos ver, não há nenhuma hora determinada, não há nenhuma fórmula preestabelecida, nenhum livro prescrito. Tudo deve ser de forma livre.

 

Os apóstolos, de acordo com o costume judeu, demonstram ter orado em determinadas horas do dia. (Atos 3.1, 10.9; 16.25.) [8] No entanto, nem Jesus e nem os apóstolos impuseram nada nesse sentido. Paulo disse: “Orai sem cessar”. (I Tessalonicenses 5:17, RC, RA.) [9] Contudo, não vemos aqui um mandamento para que as pessoas orem em certas horas marcadas, como se fosse um ritual sacrificante. Ele certamente está falando de uma comunhão constante com Deus, qualquer hora do dia, independente de qualquer agenda.

 

O tempo foi passando, e a Igreja não conseguiu ficar livre desse ritual de rezas de horas marcadas, e acabou arrumando um conjunto de determinações nesse sentido, chamado de Ofício Divino. [10], [11]

 

·       Sem data bem definida, talvez no início do segundo século, apareceu o Didaquê, uma espécie de tratado da Igreja, onde encontramos, no capítulo VIII, uma ordem para recitar o Pai-Nosso três vezes por dia. [12], [13], [14], [15]

 

·       No início do século III, em 215, a obra Tradição Apostólica de Hipólito de Roma ordenava sete orações diárias:

 

1.     “Todo fiel, homem ou mulher, ao acordarem, lavem as mãos e rezem a Deus antes de tocar qualquer coisa.”

2.     “Se estiverdes em casa, rezai e bendizei a Deus na hora terceira.”

3.     “Rezai, igualmente, na hora sexta...”

4.     “Façam, ainda, uma grande prece exaltando o Senhor por volta da hora nona...”

5.     “Rezai ainda antes de dormir.”

6.     “Por volta da meia-noite, levantai, lavai as mãos com água e rezai.”

7.     “Quando o galo cantar, levantai e rezai...” [16]

 

Para os judeus, o período do dia era dividido em:

Primeira hora = 07:00 horas;

Segunda hora = 08:00 horas;

1.     Terceira hora = 09:00 horas;

Quarta hora = 10:00 horas;

Quinta hora = 11:00 horas;

2.     Sexta hora = 12:00 horas (meio-dia);

Sétima hora = 13:00 horas;

Oitava hora = 14:00 horas;

3.     Nona hora =15:00 horas;

Décima hora = 16:00 horas;

Décima primeira hora = 17:00 horas;

Décima segunda hora = 18:00 horas .

A noite, na época do Império Romano, no tempo de Jesus, era dividida em quatro vigílias de três horas:

4.     Primeira vigília: até às 21:00 horas;

5.     Segunda vigília: até às 00:00 horas (meia-noite);

6.     Terceira vigília: até às 03:00 horas da madrugada;

7.     Quarta vigília: até às 06:00 da manhã.

[17] (Mateus 12.45; Lucas 12.38; Mateus 14.25.)

Descrição: Divisão do dia e da noite na época de Jesus. Data: junho/2013. Autor: Maralvestos. Licença CC BY-SA.

 

A terceira, a sexta e a nona horas mais as quatro vigílias da noite formavam os sete períodos de oração diários, que a Igreja continuou seguindo, mesmo estando livre dos costumes e das leis dos judeus.

 

·       No século IV, um importante documento da Igreja dizia para orar de manhã, à terceira, sexta e nona horas, de noite e ao cantar do galo. (Constituições Apostólicas, livro VIII, seção 4, XXXIV.) [18], [19]. Aqui temos seis períodos.

 

1.     De manhã;

2.     Hora terça – 09:00 horas;

3.     Hora sexta - 12:00 (meio-dia);

4.     Hora nona - 15:00 horas;

5.     De noite;

6.     Ao cantar do galo.

 

·       Entre os séculos IV e VI, diversos concílios regionais aprovaram esse costume, e as comunidades de monges seguiam tudo isso com rigidez. [20]

 

·       No século VI, são Bento de Núrsia escreveu um conjunto de setenta e três regras para uma comunidade monástica, conhecidas como Regra de são Bento. Entre as diversas regras, se encontram, nos capítulos 9-19, o regulamento do Ofício Divino. [21], [22], [23] Esse ritual diário passou a ser da seguinte forma:

 

1.     Matinas (ao amanhecer). [24]

2.     Laudes (primeiras horas da manhã). [25]

3.     Hora intermediária (Terça, 09:00 horas). [26]

4.     Hora intermediária (Sexta, 12:00). [27]

5.     Hora intermediária (Nona,15:00 horas). [28]

6.     Vésperas (no final do dia). [29]

7.     Completas (à noite). [30]

 

·       A liturgia das horas é composta de orações, salmos, hinos, leituras bíblicas, antífonas e ladainhas. [31] Por causa disso, vários livros foram compostos:

 

·       Saltério (para os salmos),

·       Antifonário (para as antífonas),

·       Hinário (para os hinos),

·       Lecionário (para as leituras),

·       Responsório (para os responsos), etc. [32]

 

·       No século XI, foi criado um livro resumindo todos esses livros e, por isso, foi chamado de Breviário. [33]

 

·       No século XIII, o papa Gregório IX autorizou o uso do Breviário revisado pela Ordem dos Frades Menores (Franciscanos). [34]

 

·       No século XVI, o Breviário foi revisado novamente, e o Papa Pio V promulgou uma nova edição conhecida como Breviário Romano. [35]

 

·       No início do século XVII, em 1602, o Papa Clemente VIII fez mais uma revisão do Breviário Romano. [36]

 

·       No mesmo século, o Papa Urbano VIII também fez algumas revisões dessa obra. [37]

 

·       No início do século XX, o papa Pio X promulgou uma nova reforma do Breviário Romano. [38]

 

·       Em 1955, o papa Pio XII também deu a sua contribuição.

 

·       Logo em seguida, o papa João XXIII convocou o Concílio Vaticano II (1961-1965). Nesse concílio, foram promovidas algumas reformas da liturgia, e o Ofício Divino passou a ser denominado de Liturgia das Horas. [39], [40] Depois de mais algumas mexidas, tudo ficou mais ou menos assim:

 

·       Invitatório, uma espécie de introdução da Liturgia das Horas com leitura de Salmos. [41]

·       Ofício das Leituras, no lugar da Matinas. [42]

·       Oração da manhã (Laudes).

·       Oração diurna, que pode ser uma ou todas as três abaixo:

·       Oração do meio da manhã (Terça).

·       Oração do meio-dia (Sexta).

·       Oração do meio da tarde (Nona). [43]

·       Oração da Tarde (Vésperas).

·       Oração da Noite (Completas). [44]

 

Houve várias reformas, mas a Liturgia das Horas continuou com a mesma rotina de sempre. [45], [46]

 

Além da Igreja Católica, outras igrejas orientais e a Igreja Anglicana também seguem esse costume com algumas variações. [47]

 

O clero fica obrigado a cumprir esses rituais diários, enquanto os leigos podem praticá-los facultativamente. [48]

 

Pense bem: você deve andar com Deus todos os dias, em todas as horas. Mas isso não quer dizer que é necessário mergulhar num monte de rituais repetitivos, seguindo uma agenda litúrgica, com leituras, orações, cânticos e outras coisas predefinidas, impostos por líderes religiosos. Você é livre para falar com Deus, de forma espontânea, independente de quaisquer livros, fórmulas ou regras. Fique livre dessas imposições.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto (não o site inteiro) está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br