Relatos religiosos

Livres dos Fardos Religiosos

 

Dizem que pescador gosta de contar histórias. Mas na verdade, todo ser humano gosta de relatar tudo que ouve e vê, principalmente aquelas coisas fora do comum e de caráter religioso.

 

 

clip_image002

Descrição: Pescadores depois do nascer do sol.  Data: 28 de outubro de 2006. Autor: Túrelio. Fonte. Licença CC BY-SA

Diz um relato que, em 1717, no Brasil, no estado de São Paulo, no rio Paraíba do Sul, no porto de Itaguaçu, alguns homens estavam pescando com suas redes. Não estavam apanhando nada. Mas de repente, ao puxarem as redes, perceberam alguma coisa embaraçada. Era o tronco da imagem da Virgem Maria. Lançaram as redes novamente e pescaram a sua cabeça. Então, a partir desse momento, segundo relatos, houve uma pesca abundante. [1].

 

Essa informação causou um grande reboliço no lugar. Vários elementos religiosos foram desenvolvidos em torno dessa notícia. Nas proximidades, foi construída uma enorme igreja, onde são realizadas muitas festividades. A cidade de Aparecida recebe anualmente muitos peregrinos. Ali podemos encontrar várias pessoas pagando promessas e uma sala com muitos ex-votos. Também existe, no lugar, um intenso comércio de produtos e serviços religiosos. [2].

 

Relatos religiosos são descrições, notícias ou informações sobre acontecimentos ou experiências religiosas, como o caso da aparição da imagem da Virgem Maria em Aparecida. Podemos chamá-los também de causos religiosos. [3], [4]. Alguns relatos podem ser reais. Outros, porém, são meramente fabulosos.

 

O caso de aparecida pode ter sido uma história fictícia de algum pescador; ou pode ter acontecido por acaso; ou pode ser um daqueles fatos estranhos que ninguém consegue dar uma explicação e que muitas vezes é chamado de milagre. Estou mostrando essa história para dar um exemplo de relato religioso. Meu objetivo não é provar que esse acontecimento foi falso ou verdadeiro. Casos como esse precisam ser avaliados por cada pessoa.

 

Em todas as religiões, encontramos relatos de todos os tipos. Algumas histórias não são levadas a sério e caem no esquecimento. Entretanto, muitas outras se tornam populares e ficam consagradas nas tradições dos povos. Exemplos de relatos de diversas religiões.

 

·       A mitologia suméria relata que Tiamat, a deusa da água salgada, gerou vários monstros para atacarem outros deuses. [5], [6].

·       A mitologia egípcia diz que Hórus derrotou Seth, o deus do mal, e tornou-se o rei do Egito. [7].

·       Na mitologia grega ficou relatado que Hércules realizou doze tarefas extremamente difíceis. [8].

·       Na Bíblia, no Novo Testamento, no livro do Apocalipse, João relatou uma série de visões que teve na ilha de Patmos. [9]

·       No século VIII, em Lanciano, Itália, durante a celebração de uma missa, na hora da consagração, um monge que não acreditava na doutrina da transubstanciação teria visto o pão e o vinho se transformarem no corpo vivo e no sangue vivo de Jesus. [10]

 

A quantidade de causos religiosos que surgiram no seio do cristianismo ao longo dos anos é enorme. Muitos são interessantes. Alguns podem ter sido reais. Outros, no entanto, possuem fortes indícios de fantasias.  Muitos são meros boatos enfeitados pela religiosidade popular. Várias histórias ajudaram a fortalecer a fé das pessoas. Mas boa parte delas acabou afastando a igreja do verdadeiro evangelho, mergulhando o povo em muitos misticismos e crendices, colocando outras pessoas no lugar do Todo-poderoso.

 

Todos têm o direito de relatar as suas experiências religiosas. Não podemos injuriar as pessoas que relatam coisas que viram ou sentiram. Não podemos desrespeitar as crenças das pessoas dizendo que certos relatos religiosos são histórias de demônios. Não devemos jamais, como fez certo pastor, realizar gestos desdenhosos contra quaisquer elementos religiosos originados de certos relatos.  Mas também não devemos acreditar em tudo que lemos e ouvirmos. Podemos perceber que há muitas narrativas reais. Mas também podemos ver que muitos casos são meras fantasias, ilusões, enganos, hipóteses, boatos e mitos. Não é difícil perceber que alguns relatos sofreram alterações de diversos tipos com o passar do tempo, se misturando com novas histórias reais ou falsas.

 

Coloque o bom senso antes de tudo. As redes estão lançadas. Você vai pescar muitos peixes. Mas não poderá ficar com todos eles. Então aprenda a selecioná-los corretamente. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

 

Autor: Maralvestos Tovesmar. Este texto está disponível nos termos da licença CC BY-NC-ND. Pode ser copiado e distribuído, informando o autor e o link seguinte, mas não pode ser modificado e nem comercializado. Data: 2013. Veja outras mensagens em http://livresdosfardosreligiosos.blogspot.com.br